Notícias

Boa fase garante liderança para setor imobiliário; na bolsa e nos fundos

Com a recuperação desse setor na economia, o Índice Imobiliário (Imob) lidera os investimentos tanto no mês de outubro quanto no ano, subindo 5,14% e 42,43% respectivamente

O mês de outubro serviu para confirmar que este deve ser definitivamente o ano dos investimentos em ativos ligados à construção civil. No mês, o Índice Imobiliário (Imob), que concentra as ações de construtoras e shoppings, subiu 5,14%, ficando com a melhor rentabilidade entre as principais aplicações tanto de renda fixa quanto de renda variável. No ano, até outubro, o Imob se valorizou 42,43%, de longe a melhor aplicação de 2019.

Queda da taxa Selic, corte das taxas cobradas pelos bancos no financiamento imobiliário e a migração dos investidores para ativos de maior risco (leia-se ações e também fundos imobiliários) foram fatores importantes que, sem dúvida, contribuíram para a valorização das ações de construtoras, incorporadoras e shoppings.

Depois de um começo de ano um tanto quanto incerto para a economia, começaram os primeiros sinais de uma recuperação econômica, o que acerta em cheio o setor da construção civil. Nos últimos meses, várias construtoras divulgaram novos empreendimentos, lançamentos e a perspectiva de um 2020, que se não for auspicioso, no mínimo deixará pra trás os anos de queda da economia.

As últimas notícias corroboram a tese de que o pior já passou para a construção civil. Ontem, por exemplo, a Caixa divulgou mais uma queda dos juros do financiamento imobiliário, de Taxa Referencial (TR) + 7,5% ao ano para TR + 6,75% ao ano.

Na terça-feira, foi divulgado também que o volume de financiamentos imobiliários com recursos da poupança somaram R$ 7,59 bilhões em setembro, uma alta de 54,5% em relação ao mesmo mês do ano passado, segundo a Abecip, associação das instituições que atuam no setor. Na comparação com agosto, houve alta de 13,2%. O resultado é o maior volume mensal desde maio de 2015.

Não é à toa que as ações de construtoras estão no hall dos papéis com as maiores valorizações do ano. Para ficar em apenas três exemplos: as ações ordinárias (ON, com direito a voto) da Cyrela acumulam uma alta de 79,96% no ano, as ONs da MRV, de 45,48%, e as da Eztec, 99,68%. Não dá pra negar que todas são valorizações de cair o queixo de qualquer taxa Selic nanica de 5% ao ano.

Acompanhando a alta dos papéis de construção e do Imob, o Índice de Fundos de Investimentos Imobiliários (Ifix), que reflete uma cesta de produtos deste segmento, registra uma alta de 4,01% em outubro e de 18,73% no acumulado do ano. Vale lembrar que os fundos imobiliários investem em empreendimentos imobiliários (prédios comerciais, residenciais, fábricas, galpões, Certificados de Recebíveis Imobiliários etc) e não em ações das construtoras.

E a renda variável brilha

Mas não são apenas os papéis de construção civil que continuam a brilhar na bolsa brasileira. O Índice Bovespa subiu em outubro 2,36% e no ano 22%. Já o índice das ações de empresas de menor porte e liquidez (conhecidas como small caps) – chamado também de Índice Small Cap – subiu 2,28% no mês passado e 33,56% no ano.

Evolução das aplicações financeiras

Rentabilidade nominal no período em %

2019JanFevMarAbrMaiJunJulAgoSetOutAno
Renda Fixa
Selic (1)0,540,490,470,520,540,470,570,500,460,485,16
CDI (1)0,540,490,470,520,540,470,570,500,460,485,16
CDB (2)0,530,530,490,520,520,510,460,450,410,434,96
Poupança (3)0,500,500,500,500,500,500,500,500,500,505,11
Poupança (4)0,370,370,370,370,370,370,370,340,340,323,66
IRF-M1,390,290,590,611,772,161,090,261,441,7011,85
IMA-B4,370,550,581,513,663,731,29-0,402,863,3623,57
Renda Variável
Ibovespa10,82-1,86-0,180,980,704,060,84-0,673,572,3622,00
Índice Small Cap9,41-1,820,101,661,976,996,750,482,082,2833,56
IBrX 5010,44-1,68-0,180,670,464,120,42-1,033,692,1920,19
ISE9,19-3,53-3,94-0,192,502,823,782,212,04-0,4214,71
IMOB10,43-5,70-3,531,675,9715,008,61-0,530,765,1442,43
IDIV12,48-2,03-1,793,093,143,112,762,231,891,5228,95
IFIX2,471,031,991,031,762,881,27-0,111,044,0118,73
Dólar Ptax – BC-5,752,374,231,25-0,12-2,75-1,769,920,63-3,853,34
Dólar Mercado-5,582,614,310,160,09-2,17-0,558,460,33-3,503,50
Euro – R$/Euro – BC-5,551,552,781,00-0,59-0,80-3,858,53-0,13-1,660,63
Euro Mercado-5,542,042,820,14-0,31-0,42-3,177,66-0,50-1,260,91
Ouro B3-2,031,941,580,931,366,792,5917,95-3,86-0,4528,38
Inflação
IGP-M0,010,881,260,920,450,800,40-0,67-0,010,684,79
IPCA (5)0,320,430,750,570,130,010,190,11-0,040,082,58

Fonte:Anbima, Banco Central, B3, FGV, Focus, IBGE e Valor PRO. Elaboração: Valor Data. (1) taxa efetiva. (2) rendimento bruto do 1º dia útil do mês. (3) rentabilidade do 1º dia do mês – depósitos até 03/05/12. (4) rentabilidade do 1º dia do mês – depósitos a partir de 04/05/12; Lei nº 12.703/2012. (5) expectativa de 0,08% para o mês de outubro

 

Na lanterna

Se você se animou com a valorização do ouro nos meses anteriores, não deve estar muito feliz com a queda de 0,45% do metal em outubro. De qualquer forma, esse desempenho negativo não ofuscou a valorização que a commodity ainda tem no ano, de 28,38%. O mesmo vale para o dólar, que no mês se desvalorizou 3,50%, mas no ano ainda sobe esse mesmo percentual (3,50%).

Por fim, a renda fixa tradicional (de curto prazo) segue firme entre os lanterninhas dos investimentos — nada revelador, já que a taxa de juros Selic continua a sua trajetória descente. Apenas lembrando, o Comitê de Política Monetária (Copom), em sua reunião desta semana, reduziu a taxa básica de 5,5% para 5% ao ano e já avisou que a Selic deve cair mais, para 4,50%. O rendimento do Certificado de Depósito Interfinanceiro (CDI) – que acompanha de perto a taxa básica de juros e também é a referência para a maioria dos investimentos de renda fixa – foi de míseros 0,48% em outubro e de 5,16% no ano.

Dentro da “classe renda fixa”, o principal destaque, e com ótimo desempenho, foi o IMA-B, que avançou 3,36% em outubro, e 23,57% no ano. Para quem não conhece o índice, ele reflete a rentabilidade dos títulos públicos atrelados à inflação. Boa notícia então para os investidores de Tesouro Direto que tem Tesouro IPCA+ na carteira.

Veja abaixo o quadro de rentabilidade real das aplicações – após ajuste pelo IPCA.

Evolução das aplicações financeiras

Rentabilidade real* no período em %

2019JanFevMarAbrMaiJunJulAgoSetOutAno
Renda Fixa
Selic (1)0,220,06-0,28-0,050,410,460,380,390,500,402,52
CDI (1)0,220,06-0,28-0,050,410,460,380,390,500,402,52
CDB (2)0,210,10-0,25-0,050,390,500,270,340,450,352,32
Poupança (3)0,180,07-0,25-0,070,370,490,310,390,540,422,47
Poupança (4)0,05-0,06-0,38-0,200,240,360,180,230,380,241,06
IRF-M1,06-0,14-0,160,041,642,150,900,151,481,629,04
IMA-B4,030,12-0,170,933,533,721,10-0,512,903,2820,46
Renda Variável
Ibovespa10,46-2,28-0,920,410,574,050,65-0,783,612,2818,93
Índice Small Cap9,06-2,24-0,641,091,846,976,550,372,122,2030,21
IBrX 5010,09-2,11-0,920,100,334,110,23-1,143,732,1117,17
ISE8,85-3,94-4,66-0,752,362,813,592,092,08-0,5011,83
IMOB10,07-6,11-4,251,105,8314,998,41-0,640,805,0638,86
IDIV12,12-2,45-2,522,513,013,102,572,121,931,4425,71
IFIX2,140,601,230,461,632,871,08-0,221,083,9315,75
Dólar Ptax – BC-6,051,933,460,67-0,25-2,76-1,949,800,67-3,930,74
Dólar Mercado-5,882,173,53-0,41-0,04-2,18-0,748,340,37-3,580,90
Euro – R$/Euro – BC-5,851,122,010,43-0,72-0,81-4,048,41-0,09-1,74-1,90
Euro Mercado-5,851,612,05-0,43-0,44-0,43-3,367,54-0,46-1,33-1,63
Ouro B3-2,341,510,830,361,236,782,4017,82-3,83-0,5325,15

Fonte:Anbima, Banco Central, B3, FGV, Focus, IBGE e Valor PRO. Elaboração: Valor Data. * Descontado o IPCA. (1) taxa efetiva. (2) rendimento bruto do 1º dia útil do mês. (3) rentabilidade do 1º dia do mês – depósitos até 03/05/12. (4) rentabilidade do 1º dia do mês – depósitos a partir de 04/05/12; Lei nº 12.703/2012

 

Fonte: Valor Investe