Construção Civil

PMBOK: o que é e como aplicá-lo na construção civil

As boas práticas apresentadas pelo guia PMBOK podem estar aliadas a qualquer tipo de abordagem (preditiva, adaptativa ou híbrida) e podem ser utilizadas como referência no gerenciamento de qualquer obra de construção civil, sendo necessário adaptá-las de acordo com as características do seu projeto

O Project Management Body of Knowledge, ou simplesmente PMBOK, é um guia completo com as melhores práticas de gerenciamento de projetos, mas você sabe como utilizá-lo corretamente em projetos de construção civil? Acompanhe até o final para descobrir!

As boas práticas apresentadas pelo guia PMBOK podem estar aliadas a qualquer tipo de abordagem (preditiva, adaptativa ou híbrida) e podem ser utilizadas como referência no gerenciamento de qualquer obra de construção civil, sendo necessário adaptá-las de acordo com as características do seu projeto.

Mas antes de explicarmos melhor sobre as utilidades e vantagens do PMBOK, vamos compreender melhor o que é este guia e qual é a sua finalidade.

Entenda o que é PMBOK Guide 

Como já mencionado, o PMBOK é um guia que reúne as melhores práticas de gerenciamento de projetos no mundo todo, identificando e padronizando todas as etapas de processos, conceitos, ferramentas e técnicas utilizadas por profissionais da área.

O guia PMBOK é de autoria do Project Management Institute (PMI), uma associação internacional sem fins lucrativos voltada para profissionais de gerenciamento de projetos. Considerada a maior instituição no ramo, o PMI também atua na promoção de educação e pesquisa para mais de 3 milhões de profissionais ao redor do mundo.

A revisão do PMBOK Guide ocorre a cada 4 anos e, até o momento, já está em sua 7ª Edição. Um dos objetivos do guia é justamente orientar profissionais da gestão de projetos sobre as melhores práticas utilizadas no mercado e agregar valor ao seu trabalho.

Com isso em mente, alguns dos assuntos apresentados pelo PMBOK em sua última edição, foram:

Reflexão sobre as abordagens de desenvolvimento de projetos (preditivas, adaptativas, híbridas etc) dentro de diferentes contextos e cenários;

Uma seção inteira dedicada à adaptação da abordagem e dos processos de desenvolvimento;

Lista expandida de modelos, métodos e artefatos, bem como uma breve descrição e mapeamento de cada modelo, método e artefato para cada um dos domínios de desempenho do projeto.

Após adquirir o PMBOK, os membros do PMI têm acesso à biblioteca virtual da instituição, chamada PMIstandard+, que disponibiliza diversos conteúdos acerca dos padrões do PMI, guias, instruções e muito mais.

Quem pode adquirir o PMBOK?

Para os profissionais que são membros do Project Management Institute, todas as edições do PMBOK são disponibilizadas gratuitamente e podem ser baixadas pelo próprio site do PMI. No entanto, o guia também é comercializado pelo Marketplace PMI e em diversas livrarias.

Áreas de gerenciamento do PMBOK

Além de reunir e padronizar as melhores práticas de gestão de projetos, o guia PMBOK também identifica 10 áreas de gerenciamento, e em cada uma dessas áreas é agrupada uma série de conhecimentos, ferramentas e técnicas, comprovadamente eficientes para a gestão de um projeto.

Veja agora quais são as áreas de gerenciamento do PMBOK:

  1. Gerenciamento da integração

A integração de processos se faz necessária em diversas etapas de um projeto e por isso é uma área de gerenciamento tão importante. Imagine que ao fazer o planejamento de riscos será preciso integrar outras áreas de gerenciamento, como a área de custos e tempo.

Isso significa que, por diversas vezes, a integração entre áreas e processos deverá acontecer para que a execução do projeto não seja comprometida. De maneira resumida, o gerenciamento de integração é responsável por unificar e consolidar diferentes partes de um projeto a fim de alcançar o melhor resultado.

  1. Escopo do projeto

O gerenciamento do escopo do projeto consiste em analisar todas as ações que serão necessárias desde a execução até a entrega final, ou seja, essa é a etapa onde todos os objetivos principais e ações necessárias para cada ciclo de vida do projeto deverão ser definidas.

  1. Tempo

De acordo com os conceitos do próprio guia PMBOK, um projeto possui um tempo finito, ou seja, há início, meio e fim para cada etapa do planejamento. Sendo assim, a área de gerenciamento de tempo é responsável por definir prazos e mensurar quais ações serão necessárias para que tudo ocorra dentro do cronograma.

  1. Custos

O gerenciamento de custos é uma área fundamental para qualquer projeto, pois é nesta etapa que todas as estimativas deverão ser feitas para a criação de um orçamento total e realista. Para alcançar esse objetivo também é necessário levar em consideração possíveis alterações, imprevistos e riscos.

  1. Qualidade

O gerenciamento da qualidade de um projeto deve levar em consideração todos os objetivos desse projeto, políticas de qualidade e principalmente as expectativas do cliente, independentemente de qual seja o seu serviço ou produto.

É nesta área que o gestor de projetos busca entender e avaliar quais são as expectativas, necessidades e requisitos do cliente para que assim todos os padrões de qualidade sejam atendidos ao final do projeto.

  1. Recursos humanos

A área de gerenciamento de recursos humanos tem por objetivo organizar a equipe de profissionais que farão parte do projeto, e para que essa seleção seja bem feita é preciso levar em conta todas as necessidades de pessoal, capacidades e habilidades de cada um.

  1. Comunicações

O gerenciamento de comunicações é responsável por definir como acontecerá a comunicação entre todos os envolvidos no projeto, quais informações deverão ser trocadas, com quem, em que momento e para quem elas deverão ser comunicadas.

De maneira geral, o gerenciamento de comunicações deve se atentar a todas as informações sobre o projeto e o modo com que a comunicação será feita, evitando assim que ocorram problemas de comunicação e falta de informações para a execução do projeto.

  1. Riscos

A área de gerenciamento de riscos, como o próprio nome sugere, é responsável por avaliar todos os possíveis riscos de um projeto, gerando estimativas de como determinado evento poderá comprometer o tempo, custo, qualidade e planejamento do projeto como um todo.

  1. Aquisições do projeto

É nesta área de gerenciamento de um projeto que serão definidos todos os materiais e serviços necessários para a execução. Com isso, a gestão de contratos também fica sob responsabilidade dessa área de gerenciamento.

Ao ser abordada no guia PMBOK, a área de gerenciamento de aquisições do projeto é discutida sob o ponto de vista do comprador e não do vendedor. Dessa forma, é feita uma reflexão sobre o relacionamento com fornecedores, aprovação e alocação de recursos e revisão dos custos.

  1. Partes interessadas do projeto

Por último, nessa área de gerenciamento são identificadas todas as partes interessadas do projeto, também conhecidos como stakeholders. A partir dessa identificação, é possível desenvolver boas estratégias de engajamento, bem como o gerenciamento de expectativas das partes interessadas.

Por que o guia PMBOK é importante?

Para os profissionais que atuam com gestão de projetos, a sigla PMBOK já é muito conhecida. O guia é uma referência para todos os tipos de projetos e, a cada nova edição, ajuda a difundir melhorias para a área.

No caso da construção civil, isso não é diferente, mas é exigido do profissional um certo nível de interpretação e estudo, para que assim ele consiga aplicar as melhores práticas, técnicas e ferramentas no seu próprio projeto e de acordo com as características únicas da sua obra.

O guia PMBOK possui diversas orientações sobre boas práticas que podem ser aplicadas em cada ciclo de vida de um projeto, além de explicar sobre os processos de gestão e suas áreas de gerenciamento, trazendo boas soluções para cada uma delas.

Ao seguir essas boas práticas, o gestor de projetos da área de construção civil consegue, por exemplo: trazer mais inovação para a sua obra, aumentar a produtividade graças aos processos padronizados, reduzir os custos do projeto e ter maior previsibilidade quanto aos possíveis erros.

No que diz respeito à importância do guia PMBOK na gestão de projetos, podemos usar como exemplo os profissionais que não se baseiam em técnicas e práticas padronizadas e enfrentam diversas dificuldades no gerenciamento de um projeto, como a falta de padronização nos processos e falhas na comunicação.

Como aplicar na construção civil? Conheça os 4 fatores fundamentais

Um bom gerenciamento de projetos na área da construção civil é fundamental para que sejam cumpridos os prazos de entrega e para que todos os padrões de qualidade sejam atendidos. Além, é claro, de garantir resultados positivos para o projeto como um todo.

No entanto, por se tratar de um setor tão importante para todas as áreas da economia, a construção civil possui um destaque dentro do guia PMBOK, com conteúdos exclusivos para a área e mais 4 fatores fundamentais.

Isto é, além das 10 áreas de gerenciamentos que já mencionamos, para o setor de construção civil ainda são acrescentadas mais 4 abordagens. Veja quais são elas:

Segurança

O guia PMBOK reflete sobre questões relacionadas à segurança do canteiro de obras e como deve ser feito o gerenciamento de segurança durante a execução do projeto.

Meio ambiente

A preocupação com o meio ambiente não é nenhuma novidade na área da construção civil, já que cada vez mais construtoras e escritórios de arquitetura buscam inovar nesse quesito. Por isso, o PMBOK também apresenta boas práticas e tendências de gerenciamento de projetos que visam à preservação do meio ambiente e soluções mais sustentáveis.

Controle financeiro

Quando falamos sobre o setor de construção civil, conforme o entendimento do PMBOK, a área de gerenciamento de custos precisa ser ainda mais aprofundada. Por esse motivo, o guia também se dedica a refletir sobre processos adotados pela construção civil.

Pleito

Esta seção possui instruções para o gerenciamento de pleitos realizados por empresas de construção civil responsáveis pela obra, a fim de justificar alterações no escopo do projeto, alterações de custos e mudança de estratégias na execução da obra.

Esses 4 fatores fundamentais apresentados acima trazem orientações importantes para o gerenciamento de projetos na área da construção civil. Contudo, o guia PMBOK não é nem se propõe a ser uma receita a ser seguida.

Por isso, é exigido do profissional um grande aprofundamento para que todas as práticas sejam aplicadas à realidade em que ele está inserido. Além disso, o PMBOK é apenas uma das maneiras de agregar valor ao seu trabalho e de obter conhecimentos acerca da gestão de projetos, mas não é a única forma.

Fonte: Sienge