Imprensa

Incorporadoras apostam em alta procura e ampliam lançamentos

“Com a taxa Selic a 3,5% e a inflação em 6,7%, você tem juro real negativo. Seu dinheiro está rendendo menos do que a inflação, e o que você faz com ele? Uma das grandes opções é comprar casa”, diz Luiz França, presidente da ABRAINC

Os lançamentos de imóveis foram 3,7% maiores neste primeiro trimestre, em relação ao mesmo período de 2020, aponta levantamento da Cbic (Câmara Brasileira da Indústria da Construção Civil). Já na comparação com o quarto trimestre, tradicionalmente o período mais aquecido do setor, há uma queda de 58%.

De acordo com a entidade, isso é resultado da alta nos preços dos materiais para as obras, que chegou a quase 24% no acumulado dos últimos 12 meses, em abril. Esse aumento deixa as construtoras receosas de lançarem unidades por um preço que não vai pagar a construção.

O efeito é maior sobre os imóveis do Casa Verde e Amarela (antigo Minha Casa, Minha Vida), já que o teto de preço exigido pelo programa e a renda mais limitada do seu público impedem grandes reajustes.

O indicador de confiança do setor imobiliário residencial, feito pela consultoria Deloitte em parceria com a Abrainc (Associação Brasileira das Incorporadoras Imobiliárias) com construtoras de todo o país, indica uma manutenção no nível de procura por imóveis no primeiro trimestre do ano, após um aumento nos últimos três meses de 2020.

“Com a taxa Selic a 3,5% e a inflação em 6,7%, você tem juro real negativo. Seu dinheiro está rendendo menos do que a inflação, e o que você faz com ele? Uma das grandes opções é comprar casa”, diz Luiz França, presidente da entidade.

Em São Paulo, a fase emergencial da pandemia proibiu o funcionamento dos plantões de venda, o que atrapalhou o segmento entre meados de março e abril. Mesmo assim, a experiência das construtoras têm sido positiva.

De acordo com a plataforma Apto, que só trabalha com compra e venda de imóveis novos, entre janeiro e abril deste ano houve 56% mais lançamentos na cidade do que no mesmo período de 2020.

No ano passado, a MAC tinha planos de lançar quatro empreendimentos, mas reduziu para dois. Para 2021, a construtora programa ao menos cinco projetos.

Três deles já foram lançados: um prédio com estúdios e plantas de um e dois dormitórios na Saúde e dois empreendimentos na Chácara Santo Antônio, um apenas de estúdios e outro de alto padrão, com unidades de 120 m².

Estão previstos ainda um empreendimento de estúdios e unidades de um e dois quartos na República, no centro da cidade, e outro de alto padrão na zona sul.

A empresa avaliou que havia uma demanda por unidades maiores e também por compactos bem localizados. “Mudamos nossa ideia [para 2021] por causa do perfil que percebemos no mercado. Quando vimos que apartamentos de mais de R$ 2 milhões na Vila Mariana estavam vendendo tudo, e estúdios também, começamos a nos perguntar por quê”, diz Ricardo Pajero, gerente comercial da MAC.

Para ele, isso se deve às mudanças na rotina provocadas pela pandemia: ao ficar mais tempo em casa, as pessoas perceberam que precisavam de mais espaço para suas atividades, e também que faz diferença morar em uma região que ofereça serviços e lazer próximos da moradia.

Reconhecida pelos imóveis compactos, a Vitacon tem 11 lançamentos programados para 2021, que representam R$ 1,1 bilhão em mercadoria, alta de 30% sobre 2020.

De acordo com o diretor-executivo da empresa, Ariel Frankel, o fechamento dos estandes na fase emergencial não foi um grande problema. A Vitacon tem vendas concentradas em investidores e clientes em 38 países. “Atrapalha, sem dúvida, mas talvez menos por causa do nosso modelo de negócio. Estamos com o pé embaixo, o mercado continua com boa demanda”, afirma.

A Trisul também espera lançar 11 novos empreendimentos neste ano, com VGV (valor geral de vendas) de mais de R$ 2 bilhões, o dobro do registrado em 2020, quando houve sete lançamentos.

A concretização dessa meta, porém, depende do bom andamento da vacinação para a Covid-19, que preveniria novas ondas fortes da doença.

“Se a vacina andar, a economia anda e o mercado imobiliário também”, afirma Cyro Naufel, diretor institucional da imobiliária Lopes. A empresa viu as vendas de lançamentos crescerem 48% no primeiro trimestre de 2021, em comparação com 2020.

Para Emilio Kallas, vice-presidente de incorporação e terrenos urbanos do Secovi-SP, a previsão é que 2021 seja pelo menos igual à 2020, avaliado como “um ano muito bom”.

A tendência dos preços dos imóveis lançados é de alta, aponta o indicador de confiança do setor. A inflação da construção civil, medida pelo INCC (Índice Nacional de Custo de Construção), chegou a 14,62% em maio, em relação aos últimos 12 meses, e esse custo começará a ser repassado no valor das unidades.

A Selic também subiu 0,75 ponto percentual no início do mês, para 3,5% ao ano, e deve chegar a 4,25% em junho, segundo o Banco Central.

“Quem está comprando um imóvel agora está fazendo um ótimo negócio”, diz Pajero, da MAC.

Matéria publicada na Folha de S.Paulo


cheap jerseyscheap nfl jerseyscheap mlb jerseyscheap nfl jerseyscheap mlb jerseyscheap nhl jerseyscheap jerseyscheap jerseyscheap jerseyscheap jerseys