Imprensa

CNN Brasil: Representantes da construção civil defendem desburocratização de alvarás

Segundo França, existe hoje uma enorme dificuldade para as cidades do país obterem autorizações, o que é muito ruim para a economia como um todo

Enquanto muitos setores acumulam perdas, a construção civil conseguiu registrar números positivos em meio à pandemia do novo coronavírus. Os financiamentos cresceram, os preços dos imóveis valorizaram e, assim, a construção foi responsável por 11% dos empregos com carteira assinada no país.

Em entrevista à CNN nesta sexta-feira (3), o presidente da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), Luiz França, e o presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção Civil (CBIC), José Carlos Martins, falaram sobre a liberação de alvarás pelas prefeituras para dar continuidade às obras.

Ambos observaram que há muita burocracia, o que prejudica o andamento das construções. Para França, é vital que se tenha aprovação dos novos alvarás para que os trabalhadores e seus familiares continuem vivendo normalmente. Martins afirmou que é uma pessoa fanática por desburocratizar. “Será que a casa de uma pessoa, dar casa para uma pessoa, é menos importante que o papel?”, questionou.

“Nós somos responsáveis por empregar 4 milhões de trabalhadores. As obras iniciam, mas também acabam. Se elas acabam e outras não começam, nós não teremos como manter o emprego das pessoas”, disse França. “O melhor para o país é que a cada obra que acabe, nós possamos iniciar mais de uma e, assim, gerar mais empregos”, acrescentou.

Segundo França, existe hoje uma enorme dificuldade para as cidades do país obterem autorizações, o que é muito ruim para a economia como um todo. O presidente da Abrainc ainda fez um pedido para as prefeituras: “Vamos, por favor, soltar os alvarás porque há um contingente de trabalhadores que precisam continuar trabalhando e um outro que pode ser empregado”.

Martins, presidente da CBIC, falou que no primeiro semestre de 2020 houve um crescimento expressivo no mercado imobiliário no país, graças às medidas desburocratizantes, mas criticou a demora do alvará de concessão das prefeituras. “Não é possível que isso trave a geração de empregos. Até para o próprio setor público isso não é muito inteligente, pois ele posterga o recebimento de impostos”, disse.

França completou dizendo que, se o governo quiser uma política para ajudar as pessoas a comprarem suas casas, criará uma enorme geração de empregos. “Segundo a FGV [Fundação Getulio Vargas], nos próximos dez anos nós podemos gerar 7,5 milhões de empregos por ano”, afirmou.

Fonte: CNN Brasil