Radar

2ºTrimestre 2022

Radar ABRAINC-Fipe aponta estabilização das condições de mercado no curto prazo

Deterioração do crédito tem sido compensada pela recuperação do emprego e renda, além do alívio das pressões de custo dos insumos

De acordo com informações atualizadas, o Radar ABRAINC-Fipe apresentou em junho/2022 uma nota média de 5,0 na escala entre 0 (menos favorável) e 10 (mais favorável).  Em termos comparativos, a pontuação do último mês representou uma virtual manutenção das condições do mercado imobiliário no curto prazo, oscilando apenas marginalmente seja em relação ao final do trimestre anterior (março/2022), em relação ao final de 2021 (dezembro/2021) ou nos últimos 12 meses (junho/2021).

Considerando a evolução desagregada das quatro dimensões que compõem o Radar ABRAINC-Fipe ao longo do último trimestre, é possível identificar avanços positivos no âmbito da demanda (decorrentes da recuperação da renda e queda da desocupação), além de um incremento marginal na nota do ambiente macro (graças ao aumento da atividade econômica e da confiança dos agentes, que se sobrepuseram ao efeito negativo da taxa de juros).

Já pelo lado negativo, o trimestre foi marcado pelo recuo dos indicadores relacionados ao crédito imobiliário (com a deterioração das condições e da atratividade do financiamento imobiliário) e ambiente setorial (declínio no número de lançamentos). Em um horizonte mais ampliado, adotando-se para análise os últimos 12 meses (isto é, comparando-se as notas apuradas em junho de 2021 e junho de 2022), os destaques positivos também ficaram por conta da dimensão demanda (melhora nas notas de renda e emprego), acompanhada do ambiente setorial (via acomodação das pressões de custo relacionadas aos insumos da construção).

Todavia, esses avanços foram compensados pela queda na pontuação dada ao ambiente macro (a reboque da elevação das taxas de juros) e crédito imobiliário (justificada pela deterioração nas condições de financiamento e queda nas concessões). Em perspectiva, embora as últimas leituras do Radar ABRAINC-Fipe evidenciem uma estabilização das condições de mercado em patamar intermediário, a análise desagregada revela desequilíbrios e contrastes entre dimensões e indicadores fundamentais para a tomada de decisão pelos agentes, tendo como protagonista a influência do comportamento da taxa de juros da economia brasileira. ■

Veja AQUI
Continuar Lendo