Notícias

Bancos seguem Copom e reduzem juros de linhas de crédito

Com a Selic agora a 4,25% ao ano, Banco do Brasil passou a taxa mínima do financiamento imobiliário de 7,20% para 6,99%

O Banco do Brasil,  o Itaú e o Bradesco anunciaram reduções de juros nesta quarta-feira, seguindo a decisão divulgada nesta quarta-feira, 5, pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, que cortou em 0,25 ponto a taxa básica de juros, Selic, para 4,25% ao ano, vai reduzir os custos de suas linhas de crédito.

No crédito imobiliário, o Banco do Brasil baixou os juros anuais de 7,20% para 6,99%, no patamar mínimo. O banco ressalta que as novas condições variam de acordo com o perfil do cliente.

No produto home equity, linha com garantia de imóvel, e crédito estruturado, que usa como garantia recursos aplicados no banco, o BB passa a cobrar taxas mínimas entre 0,94% e 1,20% ao mês, ante 1,30% a 1,38% cobrados anteriormente.

Para empresas, os descontos de cheque e títulos, além da antecipação a lojistas, passam a ter taxas mensais de 1,19%, 0,93% e 0,88%, respectivamente, antes os juros anteriores de 1,32% para desconto de cheques, 1,04% para títulos e 0,94% para antecipação a lojistas.

No capital de giro, os juros mensais mínimos passam de 1,22% para 1,12%. A conta garantida passa a ter taxa de 2,27% ao mês, ante 2,36%.

Empréstimos

No mesmo sentido, o Itaú Unibanco também anunciou uma redução nas taxas de juros para clientes pessoa física e jurídica, repassando o corte de 0,25 ponto percentual para linhas de crédito.

O Banco informa que, para pessoas físicas, a redução será no empréstimo pessoal.  Já para clientes pessoa jurídica, no capital de giro. Os novos valores passam a valer a partir de segunda-feira (10) e as taxas variam de acordo com o perfil do cliente e de seu relacionamento com o banco.

“A iniciativa dá continuidade a um movimento de reduções de taxas que permeou o ano de 2019, em que o Itaú anunciou cortes após todas as quatro quedas da Selic”, afirmou a instituição em comunicado.

Já o Bradesco afirmou em nota que “reduzirá as taxas de juros de suas principais linhas de crédito a partir de segunda-feira, 10 de fevereiro, acompanhando a decisão do Copom”, mas não especificou como será a redução.

Fonte: Estadão