Associadas Abrainc

MRV tem vendas recordes em 2014

VALOR ECONÔMICO – A MRV Engenharia registrou, na contramão do setor, vendas recordes em 2014. A companhia vendeu R$ 6,005 bilhões, 17,9% acima do seu desempenho em 2013. A expectativa para este ano, segundo o co-presidente da MRV, Rafael Menin, é manter o nível de vendas de 2014.

VALOR ECONÔMICO – EMPRESAS – SÃO PAULO – SP – 22/01/2015 – Pág. B4
A MRV Engenharia registrou, na contramão do setor, vendas recordes em 2014. A companhia vendeu R$ 6,005 bilhões, 17,9% acima do seu desempenho em 2013. A expectativa para este ano, segundo o co-presidente da MRV, Rafael Menin, é manter o nível de vendas de 2014. Em número de unidades, as vendas cresceram 7,5%, para 41.325.

Segundo Menin, o desempenho de vendas da companhia no ano passado resultou do “mercado mais resiliente” no segmento de atuação da MRV, da “força da marca” e da dispersão geográfica da companhia. A menor concorrência na faixa de baixa renda também contribuiu para a comercialização de produtos da MRV, mesmo que, em algumas praças, outras incorporadoras tenham oferecido descontos expressivos para se desfazer dos estoques e encerrar sua atuação local, de acordo com o executivo.

“Em 2015, a concorrência será menos acirrada”, diz. Por outro lado, ressalta, o mercado reduzirá “um pouco” o tamanho. “Nossas vendas ficarão em linha com as de 2014. Se quisermos lançar R$ 6 bilhões ou R$ 7 bilhões, será possível, mas o que faremos vai depender das vendas”, diz o co-presidente da MRV. A empresa tem, de seu banco de terrenos, projetos correspondentes a R$ 1,331 bilhão com registro de incorporação emitidos.

Mesmo com a perspectiva que o desemprego cresça, a confiança da população e dos empresários pode aumentar neste ano, segundo Menin, se houver a percepção que o “dever de casa” dos ajustes está sendo feito.

No ano passado, os lançamentos da MRV cresceram 23,3%, para R$ 4,336 bilhões. No quarto trimestre, porém, a companhia lançou 10% a menos do que no mesmo período do ano anterior, chegando a R$ 1,207 bilhão. Na mesma base de comparação, as vendas aumentaram 20,5%, para R$ 1,482 bilhão. A velocidade de comercialização medida pelo indicador VSO (vendas sobre oferta) ficou em 26%, em linha com a do terceiro trimestre e acima dos 23% de um ano antes.