Imprensa

ABRAINC reúne lideranças para debater perspectivas do setor imobiliário

Summit 2021 foi acompanhado por mais de 2.500 pessoas

Nenhum outro setor da economia brasileira contribuiu tanto para o país resistir à falta de empregos provocada pela pandemia quanto o da construção civil. Conforme dados do Novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados pela Secretaria de Trabalho da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, o setor criou 112.174 vagas em 2020, um aumento de 5,18% em relação ao ano anterior. A indústria veio em segundo, com 95.588.

Ainda diante de um cenário de insegurança, as perspectivas do setor para 2021 permanecem positivas – podem melhorar, caso reformas estruturais importantes sejam aprovadas no Congresso Nacional.

Foi para apresentar os números do setor e debater as perspectivas para este ano que a Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (ABRAINC) realizou na manhã desta quinta-feira (12) o Summit Abrainc. Acompanhado por mais de 2.500 pessoas, o evento online e gratuito reuniu CEOs de incorporadoras, construtoras, líderes setoriais, analistas financeiros, economistas e governo.

Organizado em dois painéis – “Expectativas do setor da incorporação para 2021” e “Quais oportunidades estão no radar para novos projetos e negócios no mercado Imobiliário?” –, o evento contou com 16 participantes, entre eles o presidente da ABRAINC, Luiz Antônio França, o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, o presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco, o primeiro vice-presidente da Câmara dos Deputados, Marcelo Ramos, e o presidente da B3, Gilson Finkelsztain.

ABRAINC Summit: acompanhado por mais de 2.500 pessoas, evento online reuniu CEOs de incorporadoras, construtoras, líderes setoriais, analistas financeiros, economistas e governo

Necessidade de reformas

Para Luiz Antônio França, o momento é sério e exige uma abordagem cautelosa: “Temos que enfrentar esse desafio como uma partida de xadrez contra nosso adversário central, o vírus”. Para médio e longo prazo, diz o presidente da Abrainc, a aprovação da PEC Emergencial e as reformas administrativa e tributária são fundamentais. “As reformas têm apoio da sociedade e são essenciais para a recuperação da economia”.

O setor conta com esses ajustes, afirma ele, na mesma medida em que continua investindo no Brasil. “O setor imobiliário é um dos que mais confiança deposita na economia. E tem um papel chave para evitar uma recessão ainda mais severa”.

O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco, lembrou: “a engenharia brasileira é de vanguarda e de muita qualidade”. Para ele, “o mínimo que se pretende ter, em uma nação civilizada, é saúde, educação, uma casa própria para poder criar os filhos, o trabalho, e a condução até o trabalho”. O setor imobiliário, diz ele, é um desses pilares.

Quanto às reformas, Pacheco considera que a administrativa está bem encaminhada. “Ela oferece um critério que permite estimular a meritocracia, a vocação para o emprego, e assim pode melhorar a visão que os investidores têm do Brasil”. Já a reforma tributária, diz ele, “é mais complexa e difícil de ser feita no Brasil. Temos que escolher um modelo, custe o que custar”.

Para Marcelo Ramos, vice-presidente da Câmara dos Deputados, a prioridade de momento é “vacina no braço e comida no prato”. Nesse contexto, lembrou, “o setor imobiliário emprega muito e reage rápido ao menor estímulo”.

Essas são agendas de consenso entre todos os participantes. “A simplificação tributária é essencial”, lembrou Basílio Jafet, presidente do Secovi-SP. “É nas crises que você muda o estrutural. As pessoas ficaram em casa e viram a importância do lar em suas vidas”, lembrou José Carlos Martins, presidente Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC).

“O Brasil foi o único país do mundo em que a população foi às ruas a favor da reforma da Previdência. Essa articulação da sociedade civil é vital para avançarmos com a agenda de reformas”, completou Luiz Felipe Dávila, fundador do Centro de Liderança Pública (CLP).

Financiamento sob medida

Por sua vez, Pedro Guimarães, presidente da Caixa, informou que o banco realizou 116 bilhões de reais em créditos imobiliários em 2020, e deve alcançar os 130 bilhões de reais em 2021. No primeiro bimestre deste ano, o crédito imobiliário efetivo cresceu 78% em relação ao mesmo período do ano passado.

“Temos quatro linhas de crédito disponíveis. O cliente escolhe”, explica ele. A mais recente, apresentada pelo banco há apenas dez dias, atrelada ao rendimento da poupança, experimentou uma procura tão grande que já representa 30% das cotações, sendo 60% com base na TR e 10% no IPCA. “O segmento de crédito é muito disputado em outros países”, disse ele, “porque oferece uma estabilidade muito grande”.

Na avaliação do presidente da Caixa, além das garantias sólidas, a relação de longo prazo que o financiamento imobiliário proporciona permite ao banco oferecer outros produtos. “Melhorar a relação com os clientes é um desafio. Já crescemos bastante, mas temos muito a avançar”, disse Pedro Guimarães.

A Caixa também vem crescendo no crédito imobiliário para pessoa jurídica, informou ele. Em 2018, foram 2,1 bilhões de reais disponibilizados. Em 2019, 4,5 bilhões de reais. Em 2020, o valor saltou para 12,8 bilhões de reais. “Apenas em março de 2021, deveremos emprestar 3 bilhões de reais: mais do que todo o ano de 2018.”

Confiança crescente

Durante o evento, representantes da Deloitte apresentaram o Indicador de confiança do setor imobiliário residencial, relativo ao quarto trimestre de 2021. Trata-se do primeiro levantamento realizado pela empresa, em parceria com a entidade, na direção de construir um indicador de confiança do setor imobiliário residencial.

Para 53% dos empresários do ramo, a procura por imóveis aumentou entre outubro e dezembro. Os entrevistados consideram que a baixa taxa de juros e o aumento na oferta de crédito imobiliário foram os grandes indutores para o crescimento das vendas. Entre os entrevistados, 95% pretendem lançar novos empreendimentos residenciais para os próximos 3 a 12 meses.

“Temos um mercado de primeira residência performando bem e um mercado de segunda residência extremamente aquecido”, afirmou Cláudia Baggio. Líder de Real Estate e Avaliação Patrimonial da Deloitte, que apresentou os resultados da pesquisa com Giovanni Cordeiro, Chief Economist/Research e Market Intelligence da empresa.


cheap jerseyscheap nfl jerseyscheap mlb jerseyscheap nfl jerseyscheap mlb jerseyscheap nhl jerseyscheap jerseyscheap jerseyscheap jerseyscheap jerseys