Imprensa

Volume de lançamentos da incorporação avança 10% em 2019

Dados da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc) aponta que os lançamentos do setor somaram 7.683 unidades em agosto de 2019, resultado que colaborou para um acumulado de 56.069 unidades lançadas desde janeiro

Dados da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc) aponta que os lançamentos do setor somaram 7.683 unidades em agosto de 2019, resultado que colaborou para um acumulado de 56.069 unidades lançadas desde janeiro, volume 9,9% superior ao registrado no mesmo período de 2018). Já as vendas totalizaram 8.406 unidades no mês destacado, contribuindo acumular para 71.719 unidades vendidas até agosto (queda de 2,4% aos mesmos 8 meses de 2018), na continuidade dos sinais de recuperação do setor.

Considerando os últimos 12 meses, os lançamentos e as vendas totalizaram, respectivamente, 105.470 e 111.929 unidades, resultados que significam aumento de 15,4% nos lançamentos e recuo de 1,9% nas vendas – ambas variações calculadas em relação aos 12 meses precedentes. Em relação à participação, a maior parte dos lançamentos residenciais (76,2%) e das vendas desse mesmo tipo (69,6%) realizadas entre agosto de 2018 e agosto de 2019 corresponde a unidades comercializadas no âmbito do Programa Minha Casa Minha Vida. Os empreendimentos de Médio e Alto Padrão se mantêm responsáveis por 23,8% das unidades residenciais lançadas e 30,4% das unidades residenciais vendidas nesse horizonte.

Apesar do comportamento negativo observado no volume comercializado pelas incorporadoras, a Abrainc destaca que as vendas líquidas de imóveis novos (calculadas pela subtração dos distratos do total de unidades vendidas em um mesmo intervalo) cresceram 9,4% no acumulado até agosto deste ano, e 10,6%, nos últimos 12 meses encerrados no mesmo mês. Esses resultados positivos, segundo a associação, refletem a queda expressiva no volume de contratos desfeitos, tanto no balanço parcial de 2019 (-34,6%) quanto no horizonte dos últimos 12 meses (-34,9%).

Fonte: Gazeta do Povo