Imprensa

No coração do Rio de Janeiro

Centro Metropolitano resgata conceito do Plano Piloto de Lúcio Costa e transforma a Barra no centro geográfico da Região Metropolitana.

Centro Metropolitano resgata conceito do Plano Piloto de Lúcio Costa e transforma a Barra no centro geográfico da Região Metropolitana
Centro Metropolitano resgata conceito do Plano Piloto de Lúcio Costa e transforma a Barra no centro geográfico da Região Metropolitana

Idealizado pelo arquiteto e urbanista Lúcio Costa, o Centro Metropolitano está saindo do papel. Pensado para ser um foco de encontro natural de todas as regiões do Rio de Janeiro, ele une os eixos Norte-Sul (Zonas Norte e Sul através de Jacarepaguá) e Leste-Oeste (por estar no centro da ligação entre a zona industrial de Santa Cruz e o centro da cidade), convergindo o fluxo da cidade para um mesmo ponto.

 

O movimento, que transformou a região num gigante canteiro de obras, resgata o projeto do plano piloto desenhado por Costa em 1969, mais de dez anos antes de a Barra ser alvo de um boom imobiliário. Quarenta e quatro anos depois, impulsionada pelos Jogos Olímpicos de 2016, a área de aproximadamente cinco quilômetros quadrados começa a virar realidade, ainda que com mudanças em relação à visão inicial do urbanista para região, a exemplo do que aconteceu com o projeto original de ocupação da Barra.

 

O Centro Metropolitano tira partido de uma virtude que o Centro Histórico, localizado numa ponta do Rio, não possui: ele fica no coração geográfico da Região Metropolitana. O acesso aos diferentes pontos da cidade, entre eles os aeroportos Antonio Carlos Jobim e o Santos Dumont, será facilitado em função das novas vias urbanas previstas no Caderno de Encargos da Prefeitura do Rio para as Olimpíadas: a Transcarioca, a Transoeste e a Transolímpica.